A gente protege quem você ama!

Família Vacinada! Família Protegida!

Saiba quando e quais vacinas você deve tomar, durante toda a vida

 

 Os calendários seguem as recomendações da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) e contemplam as vacinas sugeridas pelo Programa Nacional de Imunizações (PNI)

VACINAS - CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO EM BH

SAIBA MAIS SOBRE AS VACINAS RECOMENDADAS PELO CALENDÁRIO NACIONAL DE VACINAÇÃO

BCG ID

Vacina BCG

A doença

A tuberculose é uma doença infecciosa causada pelo Mycobacterium tuberculosis. É endêmica no Brasil e apresenta várias formas: pulmonar, cutânea, ganglionar, meníngea, disseminada, entre outras. A manifestação presente na maioria dos casos é febre baixa, vespertina e prolongada. Entretanto cada forma tem manifestações específicas como no caso da pulmonar onde a tosse é o principal sintoma. A transmissão ocorre por contato com secreções respiratórias de pessoas doentes.

A vacina previne apenas formas graves da doença, como a meningite-tuberculosa, não tendo atuação na forma mais frequente, que é a pulmonar.

A vacina

Via: intradérmica (braço direito)

Idade:  ao nascimento

Esquema: dose única

Obs.: na ausência da cicatriz é indicada a revacinação seis meses após a primeira dose.

CATAPORA - VARICELA

Vacina contra Varicela (Catapora)

A doença

varicela (catapora) é uma doença extremamente contagiosa, causada por vírus, transmissível através do contato com pessoas doentes. Caracteriza-se por febre, mal-estar e erupções cutâneas vesiculares em todo o corpo, com duração média de 10 dias. As complicações, como infecções secundárias e formas mais graves (pulmonar e hemorrágica), podem ocorrer em todas as faixas etárias, sendo mais prevalentes em adolescentes e adultos. O Herpes Zoster é causado pelo vírus da Catapora e ocorre por uma reativação ou segunda exposição a este.

A vacina

Via: subcutânea (braço)

Idade: a partir de 1 ano de idade

Esquema: duas doses

Obs.: vacinação de bloqueio deve ser feita até 72h após contato.

DENGUE

VACINA DENGUE 1,2,3,4

A doença 

A dengue é a doença viral transmitida por mosquito que se espalha mais rapidamente no mundo, sendo a mais importante arbovirose que afeta o ser humano. Constitui um sério problema de saúde pública no mundo, principalmente nos países tropicais, onde se dissemina facilmente pois as condições do meio ambiente favorecem o seu desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegyptie.

Doença febril aguda, que pode apresentar um amplo espectro clínico: enquanto a maioria dos pacientes se recupera após evolução clínica leve e autolimitada, uma pequena parte progride para doença grave.

A vacina

Via: subcutânea (braço)

Idade: de 9 anos a 45 anos

Esquema: 3 doses (0 – 6 – 12 meses)

Obs.: o esquema vacinal é o mesmo para todas as idades.

DIFTERIA | TÉTANO | COQUELUCHE ACELULAR (dTPa)

Vacina contra Difteria, Tétano e Coqueluche acelular (dTPa)

A doença

difteria ou crupe é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina do bacilo Corynebacterium diphteriae, que provoca inflamação da mucosa da garganta, do nariz e, às vezes, da traquéia e dos brônquios. É transmissível pelo contato com a pessoa infectada. A forma respiratória é a principal e a mais grave, caracterizada por dor de garganta, febre baixa e uma membrana aderente nas amídalas, faringe ou nariz. É mais frequente em crianças, porém ainda existem registros em adultos.

tétano é uma doença infecciosa grave, não contagiosa, causada por uma neurotoxina produzida pelo Clostridium tetani, uma bactéria encontrada comumente no solo. É uma doença  que pode acometer indivíduos de qualquer idade. A infecção se da a partir de lesões na pele e pode levar a morte por asfixia. O tétano neonatal é de alto risco quando as mães não foram vacinadas, pois nesses casos as crianças nascem sem receber anticorpos maternos.

coqueluche, pertússis ou tosse convulsa, é uma doença altamente contagiosa e perigosa para crianças pequenas, causada pela bactéria Bordatella pertussis. O contágio se dá através do contato com a secreção respiratória de pessoas infectadas. É mais comum na infância, mas pode ocorrer em adultos. A característica principal da doença é a tosse intensa que ocorre em surtos. Podem ocorrer complicações.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa a depender da idade)

Idade: indicada para adultos e crianças a partir de 3 anos de idade

Esquema: depende do esquema vacinal prévio

Reforços: São indicados reforços que variam de acordo com a idade do paciente (vide calendários específicos). Para adultos recomenda-se uma dose a cada 10 anos.

Obs.:

  • Pode ser encontrada em vacinas combinadas.
  • Gestantes: esta indicada 1 dose de dTpa (que contem Tétano e Coqueluche) a cada gestação, a partir da vigésima semana.
DIFTERIA | TÉTANO | COQUELUCHE ACELULAR | PÓLIO (dTPa-IPV)

Vacina – Difteria, Tétano, Coqueluche Acelular e Póliomelite Inativada (dTPa-IPV)

A doença

difteria ou crupe é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina do bacilo Corynebacterium diphteriae, que provoca inflamação da mucosa da garganta, do nariz e, às vezes, da traquéia e dos brônquios. É transmissível pelo contato com a pessoa infectada. A forma respiratória é a principal e a mais grave, caracterizada por dor de garganta, febre baixa e uma membrana aderente nas amídalas, faringe ou nariz. É mais frequente em crianças, porém ainda existem registros em adultos.

tétano é uma doença infecciosa grave, não contagiosa, causada por uma neurotoxina produzida pelo Clostridium tetani, uma bactéria encontrada comumente no solo. É uma doença  que pode acometer indivíduos de qualquer idade. A infecção se da a partir de lesões na pele e pode levar a morte por asfixia. O tétano neonatal é de alto risco quando as mães não foram vacinadas, pois nesses casos as crianças nascem sem receber anticorpos maternos.

coqueluche, pertússis ou tosse convulsa, é uma doença altamente contagiosa e perigosa para crianças pequenas, causada pela bactéria Bordatella pertussis. O contágio se dá através do contato com a secreção respiratória de pessoas infectadas. É mais comum na infância, mas pode ocorrer em adultos. A característica principal da doença é a tosse intensa que ocorre em surtos. Podem ocorrer complicações.

Poliomielite é uma doença infecciosa aguda que pode ser causada por três poliovírus. É frequentemente silenciosa mas o tipo paralitico pode ocorrer em 1% dos indivíduos infectados, assim como a paralisia residual e a morte. Está em erradicação devido a vacinação. É mais comum em crianças (“paralisia infantil”), mas também ocorre em adultos. Os seres humanos são os únicos atingidos e os únicos reservatórios, daí a vacinação universal poder erradicar essa doença completamente.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa a depender da idade)

Idade: indicada para adultos e crianças a partir de 4 anos de idade

Esquema: 3 doses (depende do esquema vacinal prévio)

Reforços: são indicados reforços que variam de acordo com a idade do paciente (vide calendários específicos). Para adultos recomenda-se uma dose a cada 10 anos.

Obs.: existem varias vacinas combinadas ou seja reunem 4 vacinas em uma só aplicação que contemplam essas doenças.

PENTAVALENTE - POLIOMIELITE | DIFTERIA | TÉTANO | COQUELUCHE | MENINGITE B (HIB)

Vacina Pentavalente

Vacina Pentavalente combina as vacinas contra Poliomielite, Difteria, Tétano, Coqueluche Acelular, Meningite por Haemofilus Influenzae B (HIB)

As doenças

difteria ou crupe é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina do bacilo Corynebacterium diphteriae, que provoca inflamação da mucosa da garganta, do nariz e, às vezes, da traquéia e dos brônquios. É transmissível pelo contato com a pessoa infectada. A forma respiratória é a principal e a mais grave, caracterizada por dor de garganta, febre baixa e uma membrana aderente nas amídalas, faringe ou nariz. É mais frequente em crianças, porém ainda existem registros em adultos.

tétano é uma doença infecciosa grave, não contagiosa, causada por uma neurotoxina produzida pelo Clostridium tetani, uma bactéria encontrada comumente no solo. É uma doença  que pode acometer indivíduos de qualquer idade. A infecção se da a partir de lesões na pele e pode levar a morte por asfixia. O tétano neonatal é de alto risco quando as mães não foram vacinadas, pois nesses casos as crianças nascem sem receber anticorpos maternos.

coqueluche, pertússis ou tosse convulsa, é uma doença altamente contagiosa e perigosa para crianças pequenas, causada pela bactéria Bordetella pertussis. O contágio se dá através do contato com a secreção respiratória de pessoas infectadas. É mais comum na infância, mas pode ocorrer em adultos. A característica principal da doença é a tosse intensa que ocorre em surtos. Podem ocorrer complicaçòes.

Poliomielite é uma doença infecciosa aguda que pode ser causada por três poliovírus. É frequentemente silenciosa mas o tipo paralitico pode ocorrer em 1% dos indivíduos infectados, assim como a paralisia residual e a morte. Está em erradicação devido a vacinação. É mais comum em crianças (“paralisia infantil”), mas também ocorre em adultos. Os seres humanos são os únicos atingidos e os únicos reservatórios, daí a vacinação universal poder erradicar essa doença completamente.

Haemophilus influenza (Hib) é uma bactéria que provoca meningite, sepse, pneumonia, otite, infecções de garganta e celulite. A transmissão ocorre principalmente em ambientes fechados e aglomerados, como por exemplo, escolas, creches, etc. A utilização da vacina diminuiu drasticamente a ocorrência da infecção.

 

A vacina

Via: intramuscular (coxa)

Idade: indicada para crianças a partir de 2 meses de idade até 7 anos de idade

Esquema: 3 doses (2 – 4 – 6 meses)

Reforços: aos 15 meses e aos 4 a 6 anos

Obs.: trata-se de uma vacina combinada contra difteria, tétano, coqueluche (acelular), poliomielite (inativada) e hemófilos.

HEXAVALENTE - POLIOMIELITE | DIFTERIA | TÉTANO | COQUELUCHE | MENINGITE (HIB)| HEPATITE B

Vacina Hexavalente

Vacina Hexavalente combina as vacinas contra Poliomielite, Difteria, Tétano, Coqueluche Acelular, Meningite por Haemophylus, Influenzae  tipo B e Hepatite B)

As doenças

difteria ou crupe é uma doença infectocontagiosa causada pela toxina do bacilo Corynebacterium diphteriae, que provoca inflamação da mucosa da garganta, do nariz e, às vezes, da traquéia e dos brônquios. É transmissível pelo contato com a pessoa infectada. A forma respiratória é a principal e a mais grave, caracterizada por dor de garganta, febre baixa e uma membrana aderente nas amídalas, faringe ou nariz. É mais frequente em crianças, porém ainda existem registros em adultos.

tétano é uma doença infecciosa grave, não contagiosa, causada por uma neurotoxina produzida pelo Clostridium tetani, uma bactéria encontrada comumente no solo. É uma doença  que pode acometer indivíduos de qualquer idade. A infecção se da a partir de lesões na pele e pode levar a morte por asfixia. O tétano neonatal é de alto risco quando as mães não foram vacinadas, pois nesses casos as crianças nascem sem receber anticorpos maternos.

coqueluche, pertússis ou tosse convulsa, é uma doença altamente contagiosa e perigosa para crianças pequenas, causada pela bactéria Bordetella pertussis. O contágio se dá através do contato com a secreção respiratória de pessoas infectadas. É mais comum na infância, mas pode ocorrer em adultos. A característica principal da doença é a tosse intensa que ocorre em surtos. Podem ocorrer complicações.

Poliomielite é uma doença infecciosa aguda que pode ser causada por três poliovírus. É frequentemente silenciosa mas o tipo paralitico pode ocorrer em 1% dos indivíduos infectados, assim como a paralisia residual e a morte. Está em erradicação devido a vacinação. É mais comum em crianças (“paralisia infantil”), mas também ocorre em adultos. Os seres humanos são os únicos atingidos e os únicos reservatórios, daí a vacinação universal poder erradicar essa doença completamente.

Haemophilus influenza (Hib) é uma bactéria que provoca meningite, sepse, pneumonia, otite, infecções de garganta e celulite. A transmissão ocorre principalmente em ambientes fechados e aglomerados, como por exemplo, escolas, creches, etc. A utilização da vacina diminuiu drasticamente a ocorrência da infecção.

Hepatite B é uma doença altamente contagiosa, causada por vírus, que pode provocar graves danos ao fígado, como: cirrose hepática e câncer. A transmissão ocorre por contato direto com secreções orgânicas, como sangue, sêmen e saliva ou por via transplacentária. Os sintomas da hepatite B são iguais aos de um resfriado: cansaço, febre discreta, dores musculares e nas articulações, náuseas, vômitos, perda de apetite, dor abdominal e diarréia. Algumas pessoas desenvolvem icterícia, urina escura e coceira na pele.

A vacina

Via: Intramuscular (coxa)

Idade: indicada para crianças a partir de 2 meses de idade até 7 anos de idade

Esquema: 3 doses (2 – 4 – 6 meses)

Reforços: aos 15 meses

FEBRE AMARELA

VACINA CONTRA FEBRE AMARELA

 A doença

febre amarela é uma doença infecciosa grave, causada por vírus e transmitida por mosquitos. As primeiras manifestações da doença são repentinas: febre alta, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. A forma mais grave da doença é rara e costuma aparecer após um breve período de bem-estar (até dois dias), quando podem ocorrer insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados), manifestações hemorrágicas e cansaço intenso. A maioria dos infectados se recupera bem e adquire imunização permanente contra a febre amarela.

A vacina

Via: subcutânea (braço)

Idade: a partir de 6 meses de idade, preferencialmente a partir de 9 meses de idade. As crianças com 6 a 9 meses somente devem ser vacinadas em circunstancias particulares (situações de surtos e com solicitação medica).

Esquema: dose Unica (o esquema é o mesmo para adultos e crianças)

Reforço:  até o momento não foi estabelecida a necessidade de reforços

Indicações:

  • Residentes, viajantes ou pessoas que se desloquem por uma área endêmica.
  • Viajantes que se dirigem a qualquer pais onde for necessário, na entrada, um Certificado Internacional de Vacinação (dependendo do local de procedência).
  • Pessoas que manipulem material potencialmente infectado.

 

FEBRE TIFOIDE

 

Vacina contra Febre Tifoide

A Doença

A febre tifoide é uma doença infectocontagiosa mundial, de notificação compulsória que está associada aos níveis socioeconômicos da população. É causada pela bactéria Salmonella enterica typhi, por meio do consumo de água e alimentos contaminados, ou pelo contato direto, devido a presença de bacilos eliminados nas fezes e urina dos portadores da doença ativa, ou nas fezes dos portadores assintomáticos.

Ao penetrar no organismo, as bactérias que não são destruídas pelo suco gástrico, no estômago, atravessam a parede do intestino delgado e caem na corrente sanguínea, afetando órgãos como fígado, baço, vesícula, medula óssea e intestino.

Medidas de prevenção importantes são: Limpar e desinfetar periodicamente a caixa d’água quando a qualidade da água for considerada suspeita, é recomendado ferver ou clorar a água. Em relação aos alimentos, é importante observar: Origem a matéria-prima ou do produto alimentício com datas de produção e validade. Os alimentos devem ser armazenados em condições que não favoreçam a contaminação e a deterioração. Os utensílios, equipamentos e instalações devem ser higienizadas para evitar a contaminação do produto. Conservar o alimento pronto para consumo em ambientes refrigerados, para evitar a proliferação de micro-organismos. Da mesma forma, o transporte deve ser feito nas mesmas condições, para evitar a contaminação.

A vacina

A vacina contra a febre tifoide é indicada para pessoas que têm uma exposição excepcional à Salmonella, como trabalhadores que entram em contato com esgotos; para quem vive em locais onde há risco de contaminação, por ocasião de viagens e, ainda, para quem vive nessas áreas.

Via: intramuscular (braço).

Idade: indicada para crianças a partir de 2 anos de idade. Grávidas também podem ser imunizadas.

Esquema: dose única

 

GRIPE INFLUENZA

Vacina contra Gripe

 A doença

Doença causada pelo vírus Influenza, transmissível através de contato com secreções respiratórias de pessoas infectadas. Caracterizada por febre, mal-estar, cefaléia e dores musculares, além de congestão nasal, tosse seca e dor de garganta. Complicações como pneumonia, bronquite e sinusite são mais comuns em crianças pequenas e idosos, assim como em portadores de imunodeficiência e portadores de doenças crônica. A vacina é composta por cepas do vírus Influenza, sendo que sua composição é alterada anualmente com base nos principais vírus em circulação do ano anterior.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa, a depender da idade).

Idade:  adultos e crianças a partir de 6 meses de idade.

Esquema: dose única anual.

Obs.: esquema para primovacinação em crianças até 9 anos: 2 doses com intervalo de 1 mês.

 

HEPATITE B

Vacina contra Hepatite B (Adulto e Pediátrica)

A doença

Hepatite B é uma doença altamente contagiosa, causada por vírus, que pode provocar graves danos ao fígado, como: cirrose hepática e câncer. A transmissão ocorre por contato direto com secreções orgânicas, como sangue, sêmen e saliva ou por via transplacentária. Os sintomas da hepatite B são iguais aos de um resfriado: cansaço, febre discreta, dores musculares e nas articulações, náuseas, vômitos, perda de apetite, dor abdominal e diarréia. Algumas pessoas desenvolvem icterícia, urina escura e prurido.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa a depender da idade)

Idade: indicada para adultos e crianças a partir do nascimento

Esquema: 3 doses (0 – 1 – 6 meses)

Obs.: pode ser encontrada em vacinas combinadas

HEPATITE A

Vacina contra Hepatite A (Adulto e Pediatrica)

A doença

Hepatite A é uma doença infecciosa aguda causada por vírus, que produz inflamação e necrose do fígado. Sua transmissão ocorre por via fecal-oral, através da ingestão de água e alimentos contaminados ou diretamente de uma pessoa para outra. Uma pessoa infectada pelo vírus pode ou não desenvolver a doença. A hepatite aguda se manifesta por mal-estar geral, náuseas, falta de apetite e vômitos, além de febre na fase inicial e icterícia (olhos amarelados). A doença é mais comum em países onde a infraestrutura de saneamento básico é inadequada ou inexistente. A infecção confere imunidade permanente à doença.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa a depender da idade)

Idade: a partir de 1 ano de idade

Esquema: 2 doses (0 – 6 meses)

HEPATITE A+B

Vacina contra Hepatite A+B

Trata-se de uma vacina combinada contra a Hepatite A e a Hepatite B.

As doenças

Hepatite A é uma doença infecciosa aguda causada por vírus, que produz inflamação e necrose do fígado. Sua transmissão ocorre por via fecal-oral, através da ingestão de água e alimentos contaminados ou diretamente de uma pessoa para outra. Uma pessoa infectada pelo vírus pode ou não desenvolver a doença. A hepatite aguda se manifesta por mal-estar geral, náuseas, falta de apetite e vômitos, além de febre na fase inicial e icterícia (olhos amarelados). A doença é mais comum em países onde a infraestrutura de saneamento básico é inadequada ou inexistente. A infecção confere imunidade permanente à doença.

Hepatite B é uma doença altamente contagiosa, causada por vírus, que pode provocar graves danos ao fígado, como: cirrose hepática e câncer. A transmissão ocorre por contato direto com secreções orgânicas, como sangue, sêmen e saliva ou por via transplacentária. Os sintomas da hepatite B são iguais aos de um resfriado: cansaço, febre discreta, dores musculares e nas articulações, náuseas, vômitos, perda de apetite, dor abdominal e diarréia. Algumas pessoas desenvolvem icterícia, urina escura e prurido.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa a depender da idade)

Idade: a partir de 1 ano de idade

Esquema: 3 doses (0 – 1 – 6 meses)

Obs.: a segunda dose da vacinação pode ser feita com a Hepatite B isoladamente.

 

HERPES ZOSTER

Vacina contra Herpes Zoster 

A doença

Popularmente conhecido como “cobreiro”, o Herpes Zoster (HZ) é causado pelo mesmo vírus da catapora (varicela). É uma doença geralmente debilitante, que vem aumentando sua frequência devido ao aumento da expectativa de vida.

Apos a infecção inicial, o vírus da catapora fica adormecido no nosso organismo e com a queda natural da imunidade, que ocorre com o avançar da idade, pode ocorrer sua reativação e consequentemente o desenvolvimento do Herpes Zoster.

O Herpes Zoster é uma erupção cutânea bolhosa. A erupção geralmente regride, evoluindo para crostas em 7 a 10 dias e apresenta cura completa dentro de 2 a 4 semanas, porem as alterações de pigmentação e as cicatrizes podem ser permanentes. A complicação mais comum do Herpes Zoster é a neuralgia pos-herpetica (NPH), acometendo parte dos pacientes. Trata-se de uma dor crônica que persiste mesmo apos a remissão da erupção cutânea. A dor é intensa e acontece na extensão do nervo da medula espinhal ate a pele. Na maioria das vezes essa neuralgia se resolve nos primeiros 3 meses, mas em alguns casos pode persistir por anos. A dor associada ao Herpes Zoster pode perturbar o sono, o humor, o trabalho e as atividades cotidianas, impactando negativamente na qualidade de vida e levando ao distanciamento social e a depressão.

A vacina

Via: subcutânea (braço)

Idade: a partir de 50 anos de idade

Esquema: dose única

Reforço:  até o momento não foi estabelecida a necessidade de reforços.

HPV

Vacina contra HPV (Quadrivalente – MSD)

A doença
A infecção pelo papilomavírus humano (HPV) é muito comum, e está associada ao câncer do colo do útero, lesões pré-cancerosas ou verrugas genitais. Sem a vacinação, mais de 50% dos adultos sexualmente ativos serão infectados pelo HPV ao longo de suas vidas. Como muitas pessoas que têm o HPV podem não apresentar nenhum sinal ou sintoma, elas podem, sem saber, transmitir o vírus a outras pessoas.

O câncer do colo do útero é uma doença grave, que pode ser uma ameaça à vida. No mundo todo, é o segundo câncer mais comum entre as mulheres. A infecção por alguns tipos de HPV pode fazer com que as células do revestimento do colo do útero passem de normal para lesões pré-cancerosas e se não tratadas, podem tornar-se cancerosas.

Existem diferentes tipos de HPV. Porem, os tipos 16 e 18, são responsáveis por 70% dos casos de câncer de colo de útero, vulva, vagina, anus e pênis. A infecção pelo HPV 6 e 11 é responsável por 90% dos casos de verrugas genitais (condiloma acuminado). Estima-se que o risco para aquisição de verrugas genitais ao longo da vida seja superior a 10%, mas estas raramente evoluem para câncer. A incidência dessa lesão é geralmente comparável entre homens e mulheres.

A vacina

Via: intramuscular (braço)

Idade: mulheres e homens, a partir de 9 anos de idade

Esquema: 3 doses (0 – 1 – 6 meses)

Obs.: trata-se de uma vacina combinada contra 4 sorotipos de HPV (6, 11, 16 e 18)

MENINGITE – HEMOPHILUS B

HAEMOPHILUS INFLUENZAE TIPO B

Doenças causadas pelo Haemophilus influenzae tipo b, principalmente meningite.

Do que é feita:

Trata-se de vacina inativada, portanto, não tem como causar a doença.

É composta de pó liofilizado com polissacarídeo da cápsula da bactéria Haemophilus influenzae tipo b (Hib) conjugado com toxoide tetânico, lactose, cloreto de sódio, água para injeção. As apresentações multidose contêm fenol. Na vacina disponível na rede pública há timerosal (derivado do mercúrio).

Pode ser encontrada isolada ou combinada com a vacina tríplice bacteriana (DTPw ou DTPa).

Indicação:

  • Crianças a partir de 2 meses, até 5 anos de idade.
  • Crianças com mais de 5 anos, adolescentes e adultos com condições médicas que aumentam o risco para doenças por Hib: ausência de baço ou disfunção nesse órgão; antes e/ou após transplante de órgão ou medula óssea; após quimioterapia; entre outras.

Contraindicação:

Pessoas que apresentaram anafilaxia provocada por qualquer componente da vacina ou por dose anterior.

Esquemas de doses:

  • O Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda e disponibiliza a vacina em três doses: aos 2, 4 e 6 meses de idade. As sociedades brasileiras de Pediatria (SBP) e de Imunizações (SBIm) recomendam uma quarta dose entre 12 e 18 meses, em especial para crianças vacinadas com a vacina DTPa.
  • Crianças com mais de 5 anos, adolescentes e adultos não vacinados e com doenças que aumentem o risco da doença: duas doses com intervalo de dois meses.

Via de aplicação:

Subcutânea ou intramuscular (nunca pelas vias intravascular ou intradérmica).

MENINGITE MENINGOCÓCICA QUADRIVALENTE (ACWY)

Meningite Meningocócica Quadrivalente (ACWY)

A doença

A meningite meningocócica é uma enfermidade grave de etiologia bacteriana que provoca uma inflamação nas membranas que recobrem o cérebro e a medula espinhal. Pode causar lesões cerebrais irreversíveis e até a morte.

Os Meningococos dos tipos ACWY são responsáveis por muitos dos casos de doença meningocócica no mundo. O objetivo da vacinação com esta vacina é prevenir a doença invasiva causada por Neisseria meningitidis dos sorogrupos A, C, Y e W.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa, a depender da idade).

Idade:  adultos e crianças a partir de 2 meses de idade.

Esquema: de acordo com a idade.

Obs.:

  • Crianças iniciando a vacinação entre 2 e 6 meses de idade: 3 doses com um intervalo de 2 meses + 1 reforço aos 15 meses;
  • Crianças iniciando a vacinação entre 7 a 23 meses de idade: 2 doses, sendo a segunda dose no 2º ano de vida e pelo menos 2 meses após a 1ª dose.
  • Crianças iniciando a vacinação entre 2 e 10 anos: 2 doses com intervalo de 5 anos.
  • Adolescentes e Adultos: dose única, porém outras doses de reforço poderão ser recomendadas a critério médico, a partir da análise de risco.

Contraindicações/reações adversas 

  • Recomenda-se adiar a vacinação na vigência de doença aguda associada a comprometimento do estado geral, acompanhada ou não por febre.
  • A vacina esta contra indicada em caso de alergia grave a algum componente da vacina.
  • Grávidas e lactantes devem tomar a vacina apenas se for claramente necessário sob prescrição médica.
  • As principais reações adversas apos a vacinação são: dor, febre baixa e mal estar, assim como vermelhidão e edema no local da aplicação. Essas reações não são consideradas graves e não contra indicam posteriores reforços vacinais.
  • Em caso de reações locais recomenda-se aplicação de compressas frias no local e o uso de antitérmico de acordo com a prescrição médica.
PNEUMONIA - PNEUMOCÓCICA 13 VALENTE

Vacina Pneumocócica 13 Valente

A doença

Streptococcus pneumoniae (pneumococo) é um patógeno bacteriano que afeta crianças e adultos. É uma importante causa de doença em crianças pequenas e de morbimortalidade em idosos e pessoas que sofrem de doenças crônicas. A bactéria coloniza o trato respiratório superior, podendo causar infecções invasivas disseminadas, inclusive bacteremia, meningite, pneumonia e outras infecções do trato respiratório inferior e superior, inclusive otite média e sinusite. Essas infecções podem ser graves levando a morte ou ainda deixar sequelas graves. Os indivíduos expostos a maior risco de infecção são os idosos, crianças com menos de dois anos de idade e pessoas com comorbidades diversas, incluindo infecção por HIV, anemia falciforme, diabetes, cardiopatias, etc.

A vacina

Via: intramuscular (braco ou coxa, a depender da idade)

Idade: indicada para adultos e crianças a partir de 2 meses de idade

Esquema: depende da idade

Reforços: depende da idade

Obs.:

  • Vacinação infantil de rotina: aos 2, 4 e 6 meses de vida e reforço entre 12 e 15 meses.
  • Para crianças entre 1 e 2 anos e não vacinadas: duas doses com intervalo de dois meses.
  • Para crianças entre 2 e 5 anos de idade e não vacinadas: uma dose.
  • Para crianças a partir de 2 anos, adolescentes e adultos com doenças crônicas que justifiquem a vacinação e ainda não vacinados: dose única. Em algumas situações, duas doses com intervalo de dois meses podem estar indicadas. Nesses casos, pode ser necessário complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente
  • Crianças vacinadas com a VPC10, nas Unidades Básicas de Saúde, podem se beneficiar da proteção de uma dose adicional da VPC13, administrada dois meses após a última VPC10, o que aumenta a proteção contra a doença pneumocócica.
  • Para maiores de 50 anos: dose única.
  • Para os maiores de 60 anos, recomenda-se complementar a vacinação com a vacina pneumocócica polissacarídica 23-valente.
PNEUMONIA - PNEUMOCÓCICA 23 VALENTE

Vacina Pneumocócica Polivalente 23 (Pneumo 23)

A doença 

Streptococcus pneumoniae (pneumococo) é um patógeno bacteriano que afeta crianças e adultos. É uma importante causa de doença em crianças pequenas e de morbimortalidade em idosos e pessoas que sofrem de doenças crônicas. A bactéria coloniza o trato respiratório superior, podendo causar infecções invasivas disseminadas, inclusive bacteremia, meningite, pneumonia e outras infecções do trato respiratório inferior e superior, inclusive otite média e sinusite. Essas infecções podem ser graves levando a morte ou ainda deixar sequelas graves. Os indivíduos expostos a maior risco de infecção são os idosos, crianças com menos de dois anos de idade e pessoas com comorbidades diversas, incluindo infecção por HIV, anemia falciforme, diabetes, cardiopatias etc.

A vacina

Via: intramuscular (braco ou coxa, a depender da idade)

Idade:  a partir de 2 anos de idade

Esquema: dose única

Reforços: depende da idade

Obs.:

  • Indicada para crianças acima de 2 anos, adolescentes e adultos que tenham algum problema de saúde que aumenta o risco para doença pneumocócica (diabetes, doenças cardíacas e respiratórias graves; sem baço ou com o funcionamento comprometido desse órgão; com problemas de imunidade, entre outras condições).
  • Para pessoas a partir de 60 anos deve ser aplicada de rotina.
  • Não é recomendada como rotina para crianças, adolescentes e adultos saudáveis.
  • Recomenda-se a combinação da VPP23 com a VPC13. Idealmente, deve-se iniciar o esquema com a aplicação da VPC 13 seguida de uma dose da VPP23 seis a doze meses depois da dose da vacina conjugada, e outra cinco anos após a primeira dose de VPP23.
  • Na maioria das vezes não se recomenda aplicar mais de duas doses de VPP23.
  • Caso o paciente já tenha tomado uma dose de Pneumo 13, deve-se aguardar um intervalo de 6 meses a 1 ano para fazer a Pneumo 23.
MENINGITE - MENINGOCÓCICA B

Vacina contra Meningite Meningocócica tipo B

A doença

A meningite meningocócica é uma enfermidade grave de etiologia bacteriana que provoca uma inflamação nas membranas que recobrem o cérebro e a medula espinhal. Pode causar lesões cerebrais irreversíveis e até a morte.

Meningococo tipo B é responsável por muitos dos casos de doença meningocócica no mundo. O objetivo da vacinação é prevenir a doença invasiva causada por Neisseria meningitidis do sorogrupo B.

A vacina

Via: intramuscular (braço ou coxa, a depender da idade).

Idade:  adultos e crianças a partir de 2 meses de idade até 50 anos.

Esquema: de acordo com a idade.

Obs.:

  • De 2 a 5 meses – 3 doses com intervalo de 2 meses + Reforço entre 12 e 15 meses.
  • De 6 a 11 meses – 2 doses com intervalo de 2 meses + Reforço no segundo ano de vida, com intervalo de 2 meses da ultima dose.
  • De 12 meses a 10 anos – 2 doses com intervalo de 2 meses. Não há necessidade de reforço.
  • De 11 anos a 50 anos – 2 doses com intervalo de 1 mês.

Faça o download dos Calendários de Vacinação

 

VACINAS RECOMEDADAS PARA GETANTES

 

VACINAS RECOMEDADAS PARA BEBÊS PREMATURO

 

VACINAS PARA CRIANÇAS ATÉ 9 ANOS

 

VACINAS PARA ADOLECENTES 10 A 19 ANOS

 

VACINAS RECOMEDADAS PARA ADULTOS

 

VACINAS RECOMEDADAS PARA IDODOS

CALENDÁRIO COMPLETO TODAS AS IDADES

Calendários  especiais de vacinação

VACINAS PARA ATLETAS E ESPORTISTAS DE ALTA PERFORMANCE

 

VACINAS PARA PROFISSIONAIS E TRABALHADORES

 

VACINAS PARA PACIENTES CRÔNICOS E MUNODEFICIÊNTES

 

Perguntas e respostas frequentes sobre vacinas.

 

Se a primeira dose de BCG (Tuberculose) não deixou cicatriz, deveremos aplicar a vacina novamente?

Hoje sabemos que a cada 100 doses de BCG aplicadas, 5 bebês podem não apresentar a cicatrização clássica. Por isso, nos casos de não resposta cicatricial, a revacinação será recomendada na maioria das vezes, mas esta conduta deve ser avaliada pelo médico quanto a necessidade e quando revacinar. O mais comum é aguardar entre 3 e 6 meses após a primeira dose dos recém nascidos, quando o seu sistema imune está mais maduro e desenvolvido para apresentar a resposta eficaz da vacina BCG. A dose de reforço aos 10 anos foi retirada do calendário adolescente em 2006, pois não se mostrou eficaz no controle e diminuição da incidência da doença.

Quanto tempo após tomar uma vacina posso engravidar?

Depende da vacina. Sarampo, caxumba, rubéola, catapora e febre amarela recomendamos esperar no mínimo 30 dias após a vacinação. Caso a vacinação aconteça, informe seu médico. Para as demais vacinas não existem restrições. Hoje temos um calendário de vacinação para gestantes.

Após a aplicação da vacina. Quanto tempo demora para fazer efeito e me deixar protegido?

A proteção inicia-se em 72 horas após a aplicação e requer em média 15 dias para a formação de anticorpos.

O uso de corticoides pode interferir?

Caso  esteja tomando corticoides há menos de sete dias, pode ser vacinada. Spray nasal ou pomada não interferem na imunidade. A aplicação será adiada se o uso do medicamento for prolongado ou em dose elevada.

O que é a vacina acelular?


É a vacina produzida a partir de proteínas das bactérias e remoção da membrana celular. As vacinas tríplices bacterianas protegem o bebê contra difteria, coqueluche e tétano. Na rede pública está disponível a DTPw que é feita a partir de células inteiras da bactéria. Já na rede privada existe a versão DTPa que é acelular, ou seja, não é feita com as células inteiras, mas sim com proteínas. “Esta é uma vacina mais purificada, só contém o que realmente é necessário para proteger o ser humano e por isso as chances de ocorrerem eventos adversos são menos frequentes”. Caso seu bebê tenha tomada uma dose da DTPw, que é oferecida na rede pública, e tenha apresentado febre alta por um tempo prolongado e outras reações adversas é recomendado passar a oferecer a DTPa. “Quem começou com uma pode completar o esquema com a mesma ou com a outra (são cinco doses em 2, 4, 6, 15 meses e 4 a 6 anos). Mas a proteção oferecida pelas duas vacinas é adequada contra a difteria, tétano e coqueluche, desde que seguindo os esquemas vacinais propostos”.

No Brasil existem dois tipos de vacina contra HPV. Qual a diferença entre elas?

Até o momento foram desenvolvidas e registradas duas vacinas contra os vírus HPV. A vacina quadrivalente recombinante, que confere proteção contra HPV tipos 6, 11, 16 e 18, e a vacina bivalente que confere proteção contra HPV tipos 16 e 18. A vacina quadrivalente promove a prevenção de lesões genitais pré-cancerosas do colo do útero, de vulva e de vagina em mulheres, e anal em ambos os sexos, relacionadas aos HPV 16 e 18, e ainda a verrugas genitais em mulheres e homens, relacionadas aos HPV 6 e 11. Já a vacina bivalente está aprovada para prevenção de lesões genitais pré-cancerosas do colo do útero em mulheres, relacionadas aos HPV 16 e 18. Essas vacinas têm cobertura para faixas etárias distintas. A vacina quadrivalente tem indicação para mulheres e homens a partir de 9 até 26 anos e em mulheres pode ser aplicada até 45 anos de idade. A vacina bivalente tem indicação para mulheres a partir de 9 anos, sem restrição de idade.

Qual a diferença da vacina hepatite A para a hepatite A&B?



A vacina de Hepatite A protege somente este tipo de Hepatite, a vacina de Hepatite A&B é uma vacina combinada que nos protege contra as duas doenças, Hepatite A e Hepatite B. Temos hoje descritos vários tipos de Hepatite em ordem alfabética já temos de A a G. Hepatite A: Transmitida normalmente através de alimentos ou contato pessoal. É uma infecção leve, mas pode se tornar fulminante. Existe vacina. Hepatite B: Transmitida principalmente através de relações sexuais e contato sanguíneo. Existe vacina. Pode levar à cirrose, ao câncer de fígado e à morte Existe vacina. Hepatite C: A maior epidemia da humanidade hoje, superior à AIDS/HIV em 5 vezes. A transmissão é por contato sanguíneo, via transfusões, dentistas, seringas compartidas, etc. Não se transmite por sexo (a menos que haja sangramento mútuo) Não tem vacina. Existem subdivisões de seu vírus (o genótipo 1, 2 e 3 e os raros 4, 5 e 6). Existem, no mundo cerca de 200 milhões de pessoas que carregam o vírus da hepatite C.A hepatite C é a principal causa de transplantes de fígado, respondendo por 40% dos casos. Pode causar cirrose, câncer de fígado e morte. Hepatite D A infecção causada pelo vírus da hepatite D (VHD) ocorre apenas em pacientes infectados pelo vírus da hepatite B. Em pacientes cronicamente infectados pelo vírus da hepatite B, a infecção concomitante com o VHD acelera a progressão da doença crônica. A vacinação contra a hepatite B também protege de uma infecção com a hepatite D. Hepatite E: É causada pelo vírus da hepatite E (VHE) e transmitida por via digestiva (transmissão fecal-oral), provocando grandes epidemias em certas regiões. A hepatite E não se torna crônica. Felizmente, hábitos de higiene adequados e um melhor controle da qualidade da água utilizada pelas pessoas podem evitar o contato com esse vírus.Hepatite F: Relatos recentes demonstram que não se confirmou a identificação do vírus da hepatite F (VHF), portanto este tipo de hepatite pode ser desconsiderado.Hepatite G: O vírus da hepatite G (VHG), também conhecido como GBV-C é transmitido através do sangue, sendo comum entre usuários de drogas endovenosas e receptores de transfusões. O vírus G também pode ser transmitido durante a gravidez e por via sexual. É frequentemente encontrado em co-infecção com outros vírus, como o da

Vacina contra a pólio, a Sabin é mais eficaz do que a Salk?


Do ponto de vista coletivo, as gotinhas da Sabin representam a melhor opção por uma simples questão de saneamento básico. É que a criança vacinada elimina os vírus vacinais pelas fezes, ajudando assim a imunizar a população carente que vive no entorno e que não foi imunizada. Quanto à segurança individual, a injetável Salk leva uma ligeira vantagem: diminui ainda mais o risco da poliomielite vacinal, ou seja, a doença causada pelos componentes da própria vacina. Calma. A ocorrência é bastante rara também com as gotinhas. Então, nem pense em deixar de vacinar seu filho por causa de um risco remotíssimo.

Como a vacina contra o HPV age no organismo?


Estimulando a produção de anticorpos específicos para cada tipo de HPV. A proteção contra a infecção vai depender da quantidade de anticorpos produzidos pelo indivíduo vacinado, da presença desses anticorpos no local da infecção e da sua persistência durante um longo período.

Qual a diferença entre a vacina Pneumo 13 e a Pneumo 23?


A bactéria Streptococcus pneumoniae é responsável por um grupo de doenças que pode causar meningite, pneumonia, sepse, bacteremia e otite média aguda.
A vacina Pneumo 13 também chamada de Prevenar oferece a resposta através de anticorpos a 13 sorotipos desta bactéria popularmente chamada de pneumococo, sendo estes tipos: 1,3, 4, 5, 6A, 6B, 7F, 9V, 14, 18 C, 19A, 19 F e 23 F. Esta vacina é produzida com tecnologia segura utilizando proteínas de conjugação podendo ser aplicada a partir dos 2 meses de vida até 19 anos e a partir de 50 anos. Os esquemas variam de acordo com a faixa etária. Já a vacina Pneumo 23 que também oferece a proteção a este mesmo grupo de bactérias porém contra 10 sorotipos a mais: 1, 2, 3, 4, 5, 6B, 7F, 8, 9N, 9V, 10A, 11A, 12F, 14, 15B, 17F, 18C, 19A, 19F, 20, 22F, 23F, 33F. Esta vacina tem outra tecnologia de produção utilizando polissacarídeos, por isso é também chamada de polivalente, podendo ser aplicada a partir de 2 anos de idade e se iniciado o esquema na infância é necessário doses subsequentes a cada 5 anos.

Vacina tem prazo de validade ?

Depende da vacina. Geralmente, as vacinas produzidas a partir de partículas de vírus seguem os critérios regulatórios de prazo de validade dos produtos entre 1 (um) e 2 (dois) anos. As vacinas produzidas a partir de partículas de bactérias têm o prazo de validade dos produtos entre 2(dois) e 3 (três) anos. Atenção: estes prazos são dos produtos e não da resposta imune.

Posso tomar duas ou mais vacinas no mesmo dia?

Sim, desde que sejam aplicadas em locais diferentes. Hoje existem vacinas conjugadas que são várias vacinas em uma só injeção ou aplicação, essas vacinas são chamadas de modo geral de tríplice com 3 proteções em 1 aplicação, a tetravalente (4 em 1) , a pentavalente (5 em 1)  e hexavalente (6 em 1).

Posso tomar vacina doente com tosse, febre baixa e diarréia?

Sim, mas como os eventos adversos das vacinas podem ser confundidos com os sintomas da doença, o melhor é adiar a vacinação.

Posso me vacinar depois de uma pneumonia?

Sim, o estado de convalescência não contraindica a vacinação, mas devemos sempre consultar o médico.

Posso tomar vacina tomando antibiótico?

Sim, os antibióticos não interferem na ação protetora das vacinas e também não

Posso tomar a vacina dupla (DT) ou tríplice bacteriana no lugar da antitetânica?

Sim, a vacina dupla protege contra difteria e tétano, e a tríplice bacteriana contra difteria, tétano e coqueluche, podendo ser feita a substituição sem prejuízos ao cliente mesmo no caso de mulheres grávidas. Pelo contrário, é indicado que se faça a substituição, haja vista que nos dois casos estamos ampliando a prevenção de duas ou três doenças.

Podemos aplicar vacina em crianças prematuras?

Sim, desde que seu peso seja superior a dois quilos. As vacinas deverão ser aplicadas em idade cronológica. Contamos como o primeiro dia de vida do bebê o dia em que ele nasceu, e não a provável data do parto.

Posso tomar a vacina que já tenha contraído a doença anteriormente?

Existem doenças que promovem proteção específica e imunidade duradoura ou permanente, que chamamos de imunidade natural, não sendo necessária a vacinação. Nestes casos onde o cliente tem certeza que teve a doença, a não é necessário vacinar. No entanto, em situações de dúvida, não existem riscos, pois o sistema imune reconhece o antígeno vacinal e a produção de mais anticorpos pode ser benéfica.

Uma mulher grávida pode contrair alguma doença ao vacinar seu filho ou parentes próximos?

Não, pois as vacinas não transmitem nenhum tipo de doença.

Vacinas podem transmitir a doença?

Não, nenhuma vacina transmite a doença. O que pode ocorrer com algumas vacinas produzidas com microorganismos vivos atenuados é uma reação vacinal que se assemelha a doença de uma forma branda.